Brexit pode impedir músicos britânicos de fazer turnês pelos EUA e Europa



Com o potencial de mais um verão sem festivais se aproximando, o Brexit lançou mais uma chave nos trabalhos, provocando incerteza sobre vistos de turnê para músicos e tripulantes do Reino Unido. À medida que a pressão aumenta sobre o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, para resolver a questão, há todas as chances de que possamos testemunhar um declínio dramático de alguns artistas que se apresentam em palcos internacionais na Europa e nos Estados Unidos.


Há poucos dias, os músicos haviam compartilhado sua raiva em relação ao Governo do Reino Unido, pois foi relatado ter rejeitado um acordo de turnê "sem visto" como parte das negociações do Brexit. Em meio a novos relatos que dizem que o governo britânico chama as alegações de "especulação enganosa", a Associação de Música Independente pediu que os dois lados "retornem rapidamente à mesa de negociações".


Então, qual é o principal problema? Com a livre circulação sendo interrompida no final do ano passado, quando um acordo foi alcançado no calvário do Brexit entre o Reino Unido e a UE, músicos e tripulações do Reino Unido precisarão de um visto para estadias de mais de 90 dias em um período de 180 dias. De acordo com a Sociedade Incorporada de Músicos, alguns países da UE também exigirão permissões adicionais de trabalho na chegada e novas autorizações podem ser necessárias.


É um momento sem precedentes para a indústria musical e todos os envolvidos – que ainda está à mercê da pandemia atual. Tirar turnês dos músicos é como tirar a essência do porquê amamos a música. A turnê compõe uma grande parte da vida de um artista e a maior parte das receitas da indústria. Sem ela, a indústria musical como a conhecemos pode possuir uma paisagem completamente diferente.

11 visualizações0 comentário